CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

4 de novembro de 2010

COCA: PERU PASSA COLÔMBIA

O Escritório das Nações Unidas Sobre Drogas e Crime (UNODC) informa que o Peru expandiu em 6,8% sua plantação de coca em 2009, em comparação a 2008, com produção da folha estimada em 119 mil toneladas.

coca.peru

A Colômbia, no período, produziu 103 mil toneladas. O Peru, portanto, ultrapassou a Colômbia e é o maior produtor mundial da folha de coca, matéria prima da cocaína.

Já na Bolívia, cuja ação antidroga até provocou embate da recente  eleição presidencial brasileira, a área dedicada ao cultivo da planta aumentou 1%.

Vale lembrar que a Colômbia é ainda o país que dedica o maior território ao cultivo da coca – 68 mil hectares -, mas a queda de produtividade das plantações, que diminuíram em escala, projeta a supremacia peruana.

Por tudo isso, o diretor-executivo da UNODC, Antonio Maria Costa, considera “preocupante” a tendência do Peru, detalhando que “se ela permanecer, o Peru muito em breve vai superar a Colômbia como o maior produtor de cocaína do mundo”.

No Peru, o recrudescimento da plantação de coca é atribuído a despreparo e corrupção das forças policiais e à transmutação em narcotraficantes de remanescentes da guerrilha Sendero Luminoso.

Já para Leonardo Correa, coordenador-técnico do Simci (Sistema Integrado de Monitoramento  de  Cultivos  Ilícitos)  da  Colômbia,  que  trabalha  com  o UNODC, “é muito cedo ainda para comemorar os números da Colômbia”.

Segundo Correa, “Houve avanço, mas é um dado pontual. A produção de coca é muito dinâmica e os dados demonstram que há plantações nos mesmos lugares que havia há dez anos. Quer dizer: as regiões continuam vulneráveis”.

grafico

Essa ponderação de Leonardo Correa é compartilhada por especialistas do setor, que afirmam que a produção de coca e cocaína apenas se estabilizou na última década, com a alta capacidade de adaptação do rentável negócio.

Correa defende que a estratégia antidrogas combine políticas pró-desenvolvimento local e combate ao consumo e ao tráfico – a parte mais lucrativa.

De acordo ainda com a ONU (Organização das Nações Unidas), a área de plantação de coca na Bolívia – onde a Constituição consagra seu consumo tradicional – passou de 30,5 mil hectares para 30,9 mil hectares.

A expansão foi de 1%, contra a média de 6% anuais, desde que o ex-líder cocaleiro Evo Morales chegou ao poder, em 2006. Relatório da ONU diz que “o resultado poderia mostrar uma mudança de tendência em direção a uma redução”.

serra.morales

Interessante lembrar que a política antidrogas da Bolívia entrou no debate eleitoral brasileiro, quando o candidato tucano à Presidência, José Serra, acusou o governo de Morales de ser “cúmplice” do narcotráfico.

De 2005 até 2009, a área dedicada à folha de coca aumentou 21,6%, e Morales, que ainda comanda a federação de cocaleiros do país, sofre  pressão  de  sua   base para aumentar a área legal de cultivo, que existe desde os anos 90.

Informações da Polícia Federal brasileira dão conta de que mais de 80% da cocaína consumida no Brasil é de procedência do território boliviano.ecstasy 

Por outro lado, o Brasil entrou na lista dos exportadores de ecstasy. De acordo com informações transmitidas à UNODC, nosso país foi o ponto de saída dessa droga para toda a Europa. A Polícia Federal já possui relatos sobre o tema, mas sem detalhes.

Leia outros artigos da Coluna do Afanasio, clicando aqui.

 

Afanasio Jazadji – Jornalista, Advogado, Deputado Estadual por 20 anos, especialista em Segurança Pública e criador do Disque-Denúncia e do Resgate dos Bombeiros. Visite o site:www.afanasio.com.br