CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

15 de março de 2013

COLUNAS ESPECIALIZADAS COPIAM, COLAM E DESVALORIZAM O RÁDIO

*Atualização: 19h15efeito_droste

O rádio, todos dizem, vive momento delicado. Audiência em queda leva à baixa de faturamento. Falta de verba resulta em contratações baratas. Contratações baratas produzem nivelamento, por baixo, da qualidade artístico-informativa. No mais das vezes, a falta de dinheiro implica, também, descuido com a manutenção de estúdios e transmissores.

A consequência mais imediata é a entrega de péssimo produto final (som e conteúdo) ao ouvinte. Este, por sua vez, acaba se lembrando de um ditado popular que diz “ouvido não é ‘pinico’” e muda de estação. Somem-se a tudo isso as novas mídias digitais surgidas com o crescimento irrefreável da Internet. O universo digital é repleto de opções, para todos os gostos e necessidades. Sem contar que a pessoa escolhe ver e ouvir o que quiser, na hora que quiser.

O livro “50 anos de Pesquisa Marplan”, lançado recentemente por Carla Patriota e Diego Oliveira, com base nas pesquisas Ipsos Marplan, afirma que o rádio se mantém na preferência de 70% da população brasileira. O índice é obtido pela média nacional, significando que em estados cujo poder aquisitivo do cidadão é menor o rádio, certamente, é ainda mais ouvido.

Então, embora seja um aparente paradoxo, podemos concluir que o rádio vai mal nos grandes centro populacionais dos estados mais ricos, em que o acesso a outros tipos de mídia é fácil e viável economicamente.

O rádio pode ser considerado um dos veículos mais adaptáveis entre as mídias eletrônicas, capaz, inclusive de tirar proveito da universalidade da web. É preciso, porém, usar os meios com profissionalismo e competência.

Aí começa a ficar compreensível um dos problemas atuais do rádio. Além de o veículo, em muitos casos, estar deteriorado profissional e tecnologicamente, vem se contaminando cada vez mais com o mau hábito das replicações, comuns na Internet. “Equipes de jornalismo”, resumidas a uma ou duas pessoas, copiam informações da rede e as colocam no ar. Quando não, limitam-se a transcrever, na íntegra, os releases recebidos. Mal comparando, dá-se o efeito Droste, utilizado na repetição de imagens, como na foto que encima este post. Um rádio assim,  não pode sobreviver.

Quando penso que as colunas especializadas poderiam ajudar nessa questão, observando problemas, alertando sobre equívocos, destacando acertos, contribuindo, enfim, para um rádio melhor vejo que, infelizmente, até os especialistas colaboram para consagrar a mesmice que, atualmente, tomou conta do veículo. O exemplo, a seguir.

arq_musical

Para lembrar os 50 anos do “Arquivo Musical”, apresentado aos domingos, a rádio Bandeirantes, de São Paulo, distribuiu um press release. O texto destaca ações que serão executadas neste dia 17 de março, em comemoração às cinco décadas de sucesso do programa, o segundo mais antigo da emissora.

Duas das colunas especializadas, das mais lidas, simplesmente copiaram o release produzido pelo departamento de divulgação do Morumbi e publicaram “tim tim por tim tim”, incluindo a foto do atual apresentador, Ronald Gimenez. Uma delas ainda se deu ao trabalho de mencionar as frequências da emissora, em AM e FM.

Isso não contribui para a valorização do rádio. Uma pena.

*** *** ***

Uma coluna você vê aqui.

A outra, para você comparar, está aqui.

*No meio da tarde, Rodney Brocanelli, que também escreve sobre rádio, mandou-me mensagem pelo Twitter pedindo, sem sarcasmo, que eu incluísse o Radioamantes neste post. Eu não havia visto, mas ele também replicou, na íntegra, o release enviado pelo departamento de divulgação da Bandeirantes. Afirmando que o trabalho desse setor da emissora é muito bom, Brocanelli enfatizou: “Gostaria muito que outras emissoras de rádio tivessem um depto. de divulgação tão eficiente quanto o da Bandeirantes”. Para não ser injusto com as duas outras colunas e atendendo ao pedido honesto de Brocanelli, também sem sarcasmo, segue o link do Radioamantes.

Caso você tenha se interessado pelo “efeito Droste” saiba mais, aqui

Se você não leu o post sobre o livro “50 Anos de Pesquisa Marplan, clique aqui

______________

Imagens: Efeito Droste – link /  Em queda – link / Símbolos antigos do rádio – link / Fotomontagem Arquivo Musical – link da rádio Bandeirantes