CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

13 de março de 2013

POLÍCIA CIVIL BAIANA EXIGE CERTIDÃO DE VIRGINDADE FEMININA EM CONCURSO

O pastor evangélico e deputado federal Marcos Feliciano é contestado na presidência da Comissão dos Direitos Humanos, no Congresso, acusado de ser homofóbico. Os movimentos gays, gls e simpatizantes desfraldaram bandeiras e abriram baterias contra o homem pedindo a destituição dele dessa presidência.

Na onda dos protestos, muita gente conhecida e até famosa aproveitou para “capitalizar dividendos” eleitorais ou artísticos, para ficar bem na fita. Oportunismos à parte, todos podem se manifestar.

Imagino que essa mesma turma vai se mobilizar, novamente, mas, agora, contra uma aberração em se tratando de concurso público. O que tem a ver uma coisa com a outra? Tudo a ver.

Na Bahia, a Secretaria de Administração do Estado lançou edital para o concurso publico de delegados, investigadores e escrivães de polícia. Nada de mais, se não fosse uma exigência que está dando o que falar: as candidatas devem se submeter a exames ginecológicos minuciosos que incluem colposcopia, citologia e microflora.

No caso de mulheres “com hímem íntegro”, os exames são dispensáveis.

Aí começa a barbaridade. Para escapar dos exames, a mulher que pretende prestar o concurso precisa apresentar atestado assinado por especialistas, comprovando a virgindade.

A Ordem dos Advogados, seccional baiana, não perdeu tempo e deu início a um protesto em defesa da igualdade de direitos e da liberdade da expressão sexual da mulher. Para dar embasamento à posição que adota, cita a Constituição Federal e destaca que a exigência do edital não tem relação com as atribuições do cargo policial.

Será que alguém da Secretaria de Administração da Bahia se confundiu? Pode ser, imagino.

Ao saber que policiais devem, eventualmente, manipular pistolas acabou metendo os pés pelas mãos. Convém que avisem o pessoal burocrático baiano que a pistola, neste caso, é arma de fogo, instrumento de trabalho da categoria.

Só fazendo piada, mesmo, pois a cretinice da exigência não faz o menor sentido.

*** *** ***

Veja se é possível uma coisa assim. Aqui

_____________________

Imagens: Bandeira – link / Distintivo – link / Colposcopia – link /