CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

26 de abril de 2013

MARACANÃ REFORMADO ENTREGUE COM FESTA PARA OPERÁRIOS DA OBRA

novo_maraca

________

“Tá vendo aquele edifício, moço? Ajudei a levantar…”

A frase faz parte dos versos de “Cidadão”, sucesso popular brasileiro. Na visão simples de um trabalhador na construção civil, a letra conta a desilusão de quem ajuda a erguer, do nada, grandes edifícios e, no fim, é proibido de entrar neles. Uma crítica social sem meias-palavras, escritas por Lúcio Barbosa, todavia bem emolduradas pela sensibilidade artística do sagitariano José Geraldo Juste, de 68 anos, conhecido pelo público como Zé Geraldo.

Nascido em Rodeiro, MG, mas criado em Governador Valadares, o sonho de menino era jogar futebol. O destino, porém, tem suas manhas e arranjou um acidente automobilístico que deixou o “jovem-futuro-talento-dos-gramados” hospitalizado durante um ano. Obrigado ao “repouso” ganhou tempo disponível, que tratou de aproveitar.

Nada mais de gols de letra e correr pra galera. Mas nada o impedia, também, de continuar perseguindo letras que seriam transformadas em gols inesquecíveis. Unindo a disponibilidade com a oportunidade, o jovem aspirante à gloria futebolística deu uma guinada nos sonhos em direção à carreira artística. Começou a dedilhar violão. De acorde em acorde, o espírito de cantor e compositor de Zé Geraldo acordaria de vez.

A fisioterapia, em Santos/SP, para recuperar a mobilidade perdida no acidente e que o debilitou durante o período de hospitalização em Carangola/MG, foi mais uma providencial “mexida de pauzinhos” do destino. Na baixada santista Zé Geraldo conheceu uma banda de bailes e passou a fazer parte dela, cantando. Em Inglês, uai, pois naquela época, anos 1960, enrolar a língua no embromation já era o máximo.

Os bailinhos continuaram mesmo enquanto o cantor estudava Administração. Formado, virou executivo, mas frequentava palcos de festivais, comuns na década de 1970. Até que, em 1978, venceu o Primeiro Festival de Música da Ericsson no Brasil. Daí em diante, adeus gravata. Contratado pela gravadora CBS (Sony), o executivo abraçou a carreira artística em definitivo.

Os bailinhos, os amigos de faculdade e os festivais abriram os caminhos para que ele se transformasse em nome forte nos circuitos universitários onde, até hoje, é presença muito concorrida.

Gosto de falar de artistas que conseguem chegar lá, mesmo enfrentando adversidades. No caso de Zé Geraldo, tudo o que aconteceu parece que foi de encomenda para preparar o espírito sagaz com que ele vê o homem do povo e o descreve com sentimento verdadeiro na músicas que interpreta. Tive a sorte e a felicidade de receber  e entrevistar Zé Geraldo, na época em que eu ainda atuava no segmento musical, antes de me dedicar exclusivamente ao jornalismo.

Você que me acompanha, deve estar se perguntando por que, afinal, estou falando de Zé Geraldo. Há sempre um porquê, sem dúvida, e você já se acostumou com minhas “divagações” que preparam o assunto reservado ao blog.

É que acabo de ler a notícia sobre a reinauguração do Maracanã, no Rio de Janeiro, neste sábado, 27 de abril.

E o que tem uma coisa a ver com a outra? — talvez você insista.

Tudo a ver! — como a Globo diria.  ze_geraldo

Acontece que haverá um jogo de futebol reunindo Bebeto, Ronaldo e amigos, como parte das festividades reinaugurais do estádio. E todos os oito mil trabalhadores que participaram da reforma estarão nas arquibancadas para assistir ao jogo e a um espetáculo musical dedicado exclusivamente aos operários. Cada trabalhador poderá levar a família o que eleva o prognóstico de público para 25 mil pessoas nas instalações estalando de novas.

Já dei uma olhada na relação de artistas convocados para o evento e não pude deixar de sentir uma pontinha de decepção. Acho que você vai concordar comigo. Para a festa ficar completa e perfeita, imagine se no show estivesse, entre os demais artistas, Zé Geraldo cantando  para os trabalhadores “tá vendo o Maraca de novo, moço? Ajudei a reformar…”

*** *** *** *** ***

A notícia da reinauguração do Maracanã, no Rio de Janeiro, neste sábado, está aqui

Para quem quiser recordar “Cidadão”, de Zé Geraldo, este link leva até a música. É só clicar

_______________________

Imagens: Maracanã -  link / Zé Geraldo -  link 1 e link 2