CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

21 de setembro de 2013

21 DE SETEMBRO OU 7 DE NOVEMBRO? PARA O RADIALISTA TODO DIA É DIA. ATÉ O FIM

O Dia do Radialista, no Brasil, continua sendo comemorado, tradicionalmente, em 21 de setembro, apesar de ter mudado, oficialmente, para 07 de novembro. Os motivos para a insistência em manter a comemoração do dia 21, variam da simples desinformação à teimosia em não aceitar a realidade. Nesse ponto, cabe refletir.

O rádio mudou, queiramos ou não. E vai mudar muito mais. A mudança faz parte da vida. Não adianta levantarmos a discussão sobre o que era ou será melhor: o rádio de ontem, o rádio de hoje ou o rádio de amanhã. Passado, presente e futuro só importam em seu próprio tempo. E refletem as transformações da vida.

Nossos colegas pioneiros diriam que aquele rádio era melhor. Lutando contra a precariedade tecnológica e de mão de obra (ninguém sabia, ao certo, o que fazer), venceram todas as dificuldades. Os profissionais que viveram a chamada época de ouro do rádio, nem pestanejariam em afirmar que foram os melhores. E nós, que vivemos a fase intermediária, entre o fim dos anos dourados até os dias atuais, somos tentados a defender nossa bandeira. Essa é a tendência. No fim, todos têm razão. Cada qual fez o melhor rádio de sua época. E o rádio do futuro, certamente, será classificado como o melhor de todos os tempos. Ou não haveria evolução.

De quando em quando ouvem-se clamores pela volta do rádio que se fazia em determinada época. Impossível. Caso contrário, aquele rádio já teria voltado. Muitos dirigentes do rádio de hoje foram lapidados no rádio de ontem. Se não reeditam o modelo que os moldou profissionalmente não é por vontade deles. Rádio, acima de tudo, é um negócio e aos empresários do setor interessam resultados financeiros. Fim do sonho.

Os grandes nomes do rádio, de cada fase, serão reverenciados até que a lembrança se apague da memória das novas gerações. O processo é esse e não vai mudar. O importante é que todo radialista faça rádio com muita paixão. No dia em que acabar a paixão, aí sim, o rádio terá chegado ao fim.

*** *** *** *** ***

Foto: Rádio Nacional, nos anos 1940