CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

12 de setembro de 2013

NA APURAÇÃO DO VALOR DE UM CRAQUE NÃO CONTA O FUTEBOL?

Como se constrói um craque de futebol? Você, com certeza e razão, vai me dizer que, primeiro, “craque que é craque nasce feito”. Claro que estamos falando, superficialmente, da capacidade inata (nascida com o jogador) para a prática esportiva. O futuro desse atleta, sem dúvida, ainda vai depender de uma série de outros fatores, importantes, mas, basicamente, a primeira condição é que saiba jogar bola. Depois, vêm as questões jurídico-financeiras e empresariais que determinarão salário, valor do passe, multa contratual e toda aquela série de detalhes com denominações que abusam da paciência de todos e confundem o torcedor. O que temos visto, através do noticiário esportivo, nem sempre esclarece. Pelo contrário, ajuda a confundir.

Quero pegar o exemplo do menino Neilton, do Santos Futebol Clube. Pouco antes da saída de Neymar, o nome de seu quase sósia começou a ganhar dimensão. Em campo, o futebol atribuído a ele nem sempre foi convincente. Teve destaque na Copa São Paulo, de juniores, mas nem por isso foi alçado à condição de estrela. Porém, bastou Neymar assinar com o Barcelona para o “peixe” buscar rapidinho um substituto para a Joia da Vila.

Aí, começou o bombardeio, pela imprensa, e tudo se transformou em motivo para destacar “o futebol” do garoto. Enquanto isso, estavam em desenvolvimento os planos para valorização profissional do craque. A maior preocupação do Santos, claro, era renovar o contrato do atleta para elevar a multa contratual a que o clube teria direito em caso de transferência do jogador para outro clube. Estrangeiro, de preferência.

A multa atual, de 13 milhões de reais, é considerada baixa para os padrões europeus, pois equivale a 5 milhões de libras. Uma insignificância, imagina o clube, pois o jogador vale muito mais. E começa o embate para definir qual é o limite que fará com que o time praiano “lamente, mas não conseguirá manter Neilton no elenco. “Oferecem muito dinheiro, entende?”

De repente, a manobra sofre ameaça de não funcionar. Por quê? Ora, o “moleque” está querendo ganhar 100 mil reais de salário; um absurdo, dizem. Então, para tudo mesmo. Qual é? O jogador vale ou não vale? Ou todo o “espetáculo” se resume a manobras de bastidores para elevar o preço de mercado do jogador. Se Neilton é tão bom quanto se alardeia, paguem o que ele pede e tratem de fazê-lo jogar bola. Não existe nada melhor do que um jogador espetacular, em campo, para elevar rapidamente o preço de seu passe. Ao contrário, o que faz o Santos? Barra o menino, impede que ele seja escalado para jogar e pressiona o atleta para aceitar um salário bem menor.

A cabecinha do jogador entra em parafuso. Não quero nem discutir o esquema que leva os jovens jogadores a se imaginarem celebridades. Carros, mulheres, favores, privilégios. Uma sucessão de situações (para mim, armadas) que induzem os quase adolescentes aspirantes a craques a pensarem que estão por cima da carne seca. Como disse, não discuto, mas não posso fingir que não vejo.

neilton_fantasiaEntão, repito a pergunta inicial: como se constrói um craque de futebol?

Para aqueles que não têm a felicidade que Neymar teve, de contar com o cuidado direto dos pais, gestores da carreira do filho, a missão é quase impossível. A começar do fato de que o craque nem sempre é craque e continua através das manobras hipócritas e falsas que não podem redundar em coisa boa.

O mesmo está prestes a acontecer com Hyuri, do Botafogo carioca. Contratado, por empréstimo, do Audax, bastaram dois ou três jogos e alguns gols—um deles, de fato, uma pintura—para que as especulações em torno da venda do rapaz (já?) começassem.

Quanto o jogador ganha, não sei, mas os cartolas do Fogão já pensam em salgar a multa rescisória do “craque”, pois, a qualquer momento, pode surgir uma proposta “irrecusável” pelo futebol do garoto. O clube, então, vai declarar que “infelizmente, não tem condições de segurar o jogador”. A preocupação, como se vê, não é com o talento, mas com o quanto ele pode valer. É preciso usar menos hipocrisia.

A mídia especializada também contribui, ao elevar um jogador à categoria de astro, da noite para o dia. Surgem comentaristas, aos borbotões, para apontar uma nova maravilha dos gramados. É interessante para o futebol, criar ídolos. Mas há que se impor um limite responsável. Assim, não dá.

 *** *** *** *** ***

Para “proteger” o clube, aumento da multa. Veja o link ‘Clone de Neymar’, Neílton entra na mira de Chelsea e Manchester United, diz jornal

Não vamos exagerar com salário, sabe como é. Ora, se ele vale tanto, qual é a dúvida? Veja: Neilton pede R$ 100 mil mensais, é 'encostado' e trava renovação com Santos

Hyuri chegou para quebrar galho no Botafogo, do Rio. Virou “talento” valiosíssimo. Hipocrisia sem limite. Botafogo contrata atacante do Audax por empréstimo após pedido de Oswaldo

________________

Fontes: http://extra.globo.com - http://esporte.uol.com.br - Fotos: Neymar / Neilton / Sou playboy demais / Hyuri