CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

16 de setembro de 2013

O SUCESSO DA MÚSICA AINDA DEPENDE DO RÁDIO?

Comecei a semana indicando a entrevista de Antonio Carlos, da rádio Globo/RJ e dou replay na fórmula. Desta feita, indico o comentário de Marcos Lauro que, ao lado de Rodney Brocanelli, participa do site Radioamantes. Você sabe que estou sempre espiando uma coisinha aqui, outra ali,para me manter atualizado com o que rola no meio radiofônico.

Lauro postou um comentário interessante sobre o sucesso musical no rádio. Entre os exemplos citados por ele para medir a popularidade de certos artistas e o grau de penetração do sucesso junto à população Marcos Lauro menciona a Internet, como não poderia deixar de ser.

O exemplo de Gaby Amarantos, citado por ele, a meu ver, cristaliza a eterna tentativa da TV Globo de criar “Ídolos” em cima de novela, produto principal da emissora. Outras redes também tentam, mas, sem o poderio global, dificilmente emplacam algum sucesso.

“Ex mai love”, tema de “Cheias de Charme”, da Globo, foi sucesso enquanto a novela esteve no ar. Depois, o caminho natural de Gaby, dotada de boa voz e muita simpatia, era voltar-se ao grande mercado musical formado pelo Norte e Nordeste, que prestigia a cantora gorduchinha e descontraída, que se declara feliz por representar o segmento brega de nossa música popular.

Gaby Amarantos integra a parcela de músicos e intérpretes como Bartô Galeno, Reginaldo Rossi, Amado Batista e outros do gênero, amados pelo público, independentemente de terem música-tema em novelas da televisão. A recíproca, porém, não é verdadeira. A TV do eixo Rio/SP não toca essas músicas a não ser por interesse mercadológico próprio. O rádio norte-nordestino não está nem aí. Toca o que é sucesso para o ouvinte regional, o que de fato importa.

É inegável, como destaca Marcos Lauro, que o rádio tira proveito das “ondas” que se espalham na Internet e ecoam pela rede mundial de computadores. Exatamente por isso, deveria aproveitar mais a interatividade. Acontece que os departamentos comerciais de algumas de emissoras de rádio ainda tentam cobrar pela execução e, com isso, ficam à margem do sucesso. Aí, deixam de falar a língua do ouvinte.

*** *** *** *** ***

Leia o comentário de Lauro Marcos no link Rádio sob demanda

Para recordar “Ex mai love”, veja o vídeo. (disponível no Youtube)

Fonte: http://radioamantes.wordpress.com / Imagens: Gaby Amarantos / Cheias de Charme