CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

10 de outubro de 2013

PRIMEIRO FOI O CONTROLE REMOTO. GLOBO MOSTRA VELHA MENTALIDADE

A “Band” vendeu cerca de quinhentas horas de programação para a distribuidora de conteúdo on demand “Netflix”. A transação segue a tendência de outros canais de tevê aberta, exceto a rede “Globo”. O chefão da empresa, Ted Sarandos, diz: “a Globo é a única grande rede de televisão que não negocia com a gente. Acho que eles têm medo de que vamos canibalizar o negócio deles, mas somos complementares para o sistema".

A rede “Globo”, como todos sabem, lutou durante mais de 20 anos para impedir que o controle remoto virasse uma realidade no Brasil. Era medo do zapping, a prática de trocar de canais, nos intervalos, para ver o que está sendo exibido pela concorrência. Uma empresa com essa mentalidade, certamente vai demorar para ceder à “Netflix” ou à qualquer outra fornecedora de conteúdo.

Diante do caráter rotativo da audiência, empresas como a “Netflix” representam uma boa saída para o telespectador que perdeu um programa e gostaria de assisti-lo depois.

Para atingir o maior número possível de telespectadores, os canais por assinatura usam a estratégia de exibir determinado programa em seu horário habitual e várias reprises em horários alternativos.

O expediente resulta em grande número de reexibições e representa um desgaste para o canal. Se, por um lado, dá ao telespectador eventual a chance de ver o que perdeu antes, por outro lado castiga o assinante que o assiste habitualmente.

on_demand

Alguns canais por assinatura estão, eles próprios, explorando o filão on demand, oferecendo programação alternativa para o assinante. Como essa opção é paga à parte, na prática o que ocorre é a cobrança de uma assinatura dentro de outra assinatura. O Código de Defesa do Consumidor proíbe a venda casada (quando o consumidor é obrigado a levar o que não quer se quiser levar o que quer), mas parece omisso quanto à  prática do on demand cobrar um extra do já assinante.

 *** *** *** *** *** 

O sistema on demand ganha reforço. Veja nos links Band vende 500 horas para Netflix e “Globo teme que canibalizemos o seu negócio”, diz chefão do Netflix

_____________

Fontes: http://exame.abril.com.br - http://adnews.com.br / Imagens: Controle remoto - On demandSkyTelecine On