CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

9 de dezembro de 2013

O QUE DETERMINOU A BRIGA DE TORCIDAS NO JOGO ATLÉTICO PARANAENSE X VASCO

Quem viu pela TV a transmissão da partida de futebol entre Clube Atlético Paranaense X Vasco da Gama, no encerramento da 38ª rodada do Brasileirão, neste domingo, acabou assistindo à briga entre as torcidas na Arena Joinville, em Santa Catarina. As câmeras de TV mostraram cenas de barbárie, como o camarada que, pega uma barra e bate no torcedor adversário já caído na arquibancada, visto na sequência acima.

Na acareação das responsabilidades, o jogo de empurra já começou. A Polícia Militar daquele estado limitou-se a fazer a segurança das áreas externas do estádio. Segundo alegações do sargento Adilson Moreira, responsável pelos trabalhos na região do estádio, havia um entendimento do Ministério Público—MP catarinense de que o evento era particular. Nesse caso, a segurança interna era responsabilidade dos promotores do jogo (veja).

Essa orientação foi confirmada, no domingo à noite, por uma oficial da Polícia Militar de Santa Catarina, Claudete Lehmkuhl. Veja aqui

Mais tarde, o Ministério Público negou qualquer tipo de orientação no sentido de impedir o policiamento interno do estádio pela PM. Ninguém quer segurar o rojão. Lamentável. Veja

Uma sucessão de erros colaborou para a ocorrência:

O Clube Atlético Paranaense, já punido anteriormente pelo STJD por tumulto de torcida, em outubro, foi obrigado a jogar em outro campo e mesmo assim negligenciou a segurança.

Está claro que a PM de Santa Catarina queria receber pelo policiamento e recusou-se a mandar seus homens para o interior do estádio. Depois de ver a irresponsabilidade da decisão, disse ter colocado 160 policiais dentro do estádio (visualmente, esse número parecia muito menor), deixando 20 lá fora.

Por fim, a polícia catarinense agiu de maneira parcial, prendendo apenas vascaínos. As duas torcidas invadiram o espaço vazio que as separavam, não apenas a torcida do Rio. Ambas queriam brigar. “Torcedores do Vasco são levados para presídio após briga em estádio

Pretendendo acabar com a violência entre torcidas o STJD vai aplicar, a partir de 2014, a seguinte punição: os times responsabilizados pela violência vão ter que jogar de portões fechados, sem torcida, em vez de mudar o campo de jogo (veja). Vai resolver? O tempo dirá.

*** *** *** *** ***

Fontes: http://esportes.opovo.com.br - http://g1.globo.com - http://www.lancenet.com.br 

Imagens: Agressor segura uma barra - Agressão com a barra – Encontro das torcidas