CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

5 de abril de 2014

ANTONIO CELSO, O PILOTO Nº 1 DA EXCELSIOR, A ‘MÁQUINA DO SOM’

rodney_brocanelli Rodney Brocanelli, colunista especializado em rádio, é uma das fontes habituais para quem, como eu, tem formação profissional no setor ou para quem simplesmente gosta do veículo e quer se manter atualizado sobre o que acontece no meio.
showtime Além de escrever para o blog Radioamantes, Rodney também apresenta uma coluna semanal, ao vivo, através da web radio “Showtime”. Na coluna que ele produz e apresenta, são comentadas as notícias da semana relativas ao rádio. Sempre que a ocasião permite, a coluna entrevista uma personalidade do rádio contemporâneo ou ídolo do passado.
Um trabalho bonito e necessário para lembrar às novas gerações de ouvintes e de profissionais do ramo, quais foram os pioneiros que pavimentaram a estrada sobre a qual o rádio transitou até os dias atuais. Não se trata de mero saudosismo, mas de valorização da memória do rádio.
Por esse motivo, ao mesmo tempo em que dou parabéns ao Rodney pela coluna, aproveito para recomendar a entrevista realizada neste sábado, 05 de abril de 2014. Se você tem, hoje, entre 50 e 60 anos, ou pouco mais, e mora em São Paulo, capital, certamente ouvia as duas emissoras de música jovem mais famosas e de maior audiência dos anos 1970/1980, que eram "Excelsior" e "Difusora".
Nessa evocação, um dos primeiros nomes que surge na lembrança da maioria é o de Antonio Celso, criador da "Excelsior—a máquina do som".
O “Leão”, como era chamado pelos amigos e subordinados, foi responsável por uma das fases musicais mais importantes da história radiofônica recente deste país.
A "Excelsior", ao lado da "Difusora", que surgiu depois, mas se ombreou à “Máquina” pela disputa de audiência, tinha na voz de Antônio Celso a marca registrada da música jovem de então.
No Rio de Janeiro, o segmento era representado por Big Boy, da rádio “Mundial”, identificado com o “crazy people”; um cara que a morte, infelizmente, levou muito cedo.
Melhor do que qualquer coisa que eu possa dizer, a entrevista do Radiomantes revela detalhes de como era fazer um rádio jovem, moderno, atual, de sucesso, sem o apoio da Internet que, hoje, faz do mundo o quintal do internauta.

Antonio Celso, o “agente internacional” da "Excelsior", ia buscar pessoalmente o que era sucesso na Europa e nos Estados Unidos para tocar, em primeira mão, na Máquina do Som. Lembra disso?  Então, você vai gostar da entrevista. Boa viagem!

*** *** *** *** ***
A entrevista ainda não está no blog Radioamantes, mas já pode ser ouvida no Youtube. Clique sobre a imagem.

Imagens: Rodney Brocanelli, reprodução / Logo Showtime / Antonio Celso / Big Boy