CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

29 de abril de 2014

#SomosTodosMacacos, MAS ALGUNS SÃO MAIS ESPERTOS

O dedo oportunista, via de regra, coloca em questão o lado politicamente correto de movimentos que surgem, em todo o mundo, em prol de uma boa causa. O gesto de Daniel Alves, jogador do Barcelona, da Espanha, ao comer uma banana atirada ofensivamente contra ele, no jogo entre Barcelona x Villarreal, pelo campeonato espanhol, no último domingo, repercutiu positivamente em todo o mundo. Pareceu uma forma espontânea do jogador protestar e, ao mesmo tempo, motivar milhões de pessoas contra a segregação racial.

Pareceu, mas tudo não passou, mesmo, de um caso pensado. Aliás, muito bem pensado.

É indiscutível que a questão racial, entre outras, deve e merece ser discutida com seriedade, pois nenhum estigma faz sentido. Em pleno século 21 o ser humano continua se deixando contaminar por ódios contra seus semelhantes.

Ao caminhar ereto sobre duas pernas e desenvolver a capacidade de pensar o “Homo Sapiens” deu a demonstração cabal de que surgiu neste mundo para ser líder. A raça humana, desde então, só tem feito progredir. Por raça humana entendem-se todos, sem distinção. Este é o ponto.

Após o gesto de Daniel Alves, as redes sociais foram inundadas pela hastag #SomosTodosMacacos, numa forma inteligente e até bem humorada de protestar contra a atitude racista que vitimou o jogador. Ato contínuo, algumas personalidades divulgaram fotos em que apareciam comendo bananas, em apoio ao movimento de repúdio.

SomosTodosMacacosTudo ia bem, até que um “gênio”, provavelmente por não suportar o peso da própria vaidade, decidiu revelar que toda a encenação foi meticulosamente planejada e executada.

O momento era de discrição máxima, pois o que interessava, de fato, eram os resultados e não o processo em si. Eu lamento e aproveito para sugerir que se acrescente à lista dos males que castigam a Humanidade, também a vaidade.

Disfarçada em mais de 50 sinônimos em Português, a “estultice” (um deles) age como erva daninha. Um jardim de belas flores pode perder o encanto sob a ação nefasta dessa praga. Acho que nem é preciso ser publicitário brilhante para entender a analogia, não é mesmo?

Então, para não deixar que o movimento caia no vazio, continue acreditando no gesto de Daniel Alves.

Embora não tendo sido espontâneo, ao contrário do que afirmam os idealizadores da campanha, o grande objetivo é promover o fim da discriminação racial. Uma luta que vale a pena.

Além de tudo, a banana é uma fruta especial. Veja, no link abaixo, os benefícios que ela produz ao organismo humano. Inclusive para o cérebro que, como se vê, precisa pensar melhor. Sempre.

*** *** *** *** ***

Criadores da campanha agora tentam vender a ideia de que o gesto de Daniel Alves foi espontâneo. Inclusive, “era Neymar quem deveria ter feito o gesto”. Sei, sei. Os detalhes, no link “Publicitário diz que ideia de comer a banana foi de Neymar” – Fonte: ESPBR.com

Neste outro link, mais pormenores da campanha. “Somos todos macacos” tem Loducca envolvidaFonte: Meio &Mensagem

E por último, como a natureza sempre tem razão, veja os benefícios da fruta que virou sucesso, no link “Nove benefícios da banana” – Fonte: Ciclo Vivo

Imagens: Daniel Alves / Neymar e filho / Ivete Sangalo, Luciano Huck e Angélica e Ana Maria Braga / Pavão / Erva-daninha