CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

16 de maio de 2014

CAFÉ COM JORNAL PODE ESFRIAR DEPOIS DA COPA

O programa “Café com Jornal”, da Band, não pode ser classificado como telejornal, pois é, antes de tudo, um apanhado de variedades em que apresentadores e colunistas trazem informações de sua área. Entre os participantes, algumas gratas surpresas.

Longo, começa às seis da manhã e termina às nove, “Café com Jornal” veio com a promessa de levar ao público tudo o que está acontecendo no Brasil e no mundo, de um jeito diferente.

Meio pretensioso, não? “Não”, segundo um amigo meu, “é pretensioso e meio”.

Para concluir, ele disse: “não sei quanto a você, mas eu tenho a impressão de que essa novidade da Band foi inspirada no ‘Morning Show’, da REDETV!, com menos palhaçada.”

Esse meu amigo é radical por excelência, então não vou entrar nessa. Deixemos no ar a impressão de que o programa é “meio pretensioso”. E, como se autodenomina, descontraído.

Falando nisso, a participação de Ricardo Boechat e José Simão, ao vivo, direto da BandNews FM (Simão por telefone), é um dos bons quadros do “Café com Jornal”. A dupla sabe das coisas, tem boa sintonia, e arranca gargalhadas tanto no rádio quanto na TV.

A equipe é boa. E grande. Todos têm o que falar e a primeira impressão é a de que num programa tão longo sobre tempo para que ninguém se apresse. Pois não é o que acontece.

Espremidos pela pauta que anda privilegiando quantidade, em vez de qualidade, o que se nota é uma certa disputa entre eles para ver quem consegue passar as informações de que dispõem, anseio natural entre jornalistas.

Alguns colunistas são interrompidos ou lembrados de que o tempo está acabando e precisam “acelerar.” Coisa chata. Dispensável, com boa coordenação. E tudo indica que a “correria” pode aumentar, pois, na busca pela audiência, começou um desfile de fotos de telespectadores com a cara de quem comeu e não gostou, visto que, alguns, acordaram de mau humor ou sei lá o quê. Sem falar das frases “espirituosas” destacadas pela bancada.

Ver a própria “cara” na telinha é legal. Para quem aparece ali, claro, mas, convenhamos, é um saco para quem não tem nada com isso e gostaria de ver e ouvir as notícias do dia. A propósito, o “Café com Jornal”, na intenção de mostrar que é “descolado” e atrair o público que navega na rede, destaca os assuntos que estão “bombando” na Internet. Só tem um problema: como o programa é apresentado logo cedo, os destaques vão para o que bombou no dia anterior. Não existe nada pior para o internauta; ver algo com gosto de coisa velha, apresentado como se tivesse acabado de sair do forno. É preciso prestar atenção nisso.

A nova atração da Band mostra uma reação positiva nos números do “Ibope”, comemorada com o exagero próprio de quem saboreia uma sopinha rala, mas se comporta à mesa como se participasse de um banquete.

Nunca é demais lembrar que os comensais mais importantes, os telespectadores, precisam gostar da refeição e fica difícil tomar sopinha e se imaginar saboreando iguarias preparadas por um grande “chef”.

Como eu disse acima, a equipe do “Café com Jornal” é grande. Faltou acrescentar “e cara”.

Por enquanto, a pontuação conquistada pelo programa é vista no Morumbi como razoável. Quando o investimento começar a ser comparado com o retorno, a coisa vai se complicar.

A Copa do Mundo deve contribuir para alavancar a audiência do programa, mas e depois? Eis a questão.

Imagens: Equipe Café com Jornal – divulgação / Equipe Morning Show – divulgação / Ricardo Boechat – divulgação / Ana Paula Rodrigues – divulgação / “ROI”, Return On Investiment