CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

31 de julho de 2014

URNA ELETRÔNICA. DE VOLTA A VELHA SUSPEITA DE FRAUDE, EM 2014

No momento em que a temperatura envolvendo a sucessão presidencial começa a subir, eis que ressurge o tema da segurança, ou falta dela, no uso da urna eletrônica. Algumas denúncias sobre a possibilidade de fraude são conhecidas. Nenhuma delas, porém, resultou em investigação profunda (até onde se sabe) sobre a veracidade ou improcedência das suspeitas.

O fato é que as eleições se aproximam e a “luta de bastidores”, apesar de se pretender invisível, ganha corpo e contorno perante a opinião pública. Pesquisas de intenção de voto, registram, ainda, uma confortável posição da atual presidente, Dilma Rousseff, apesar de todo o senso comum, contrário a ela, que parece estar se formando entre a população, especialmente junto ao eleitorado.

Quem está, de fato, melhor ou pior posicionado nas pesquisas, deixa de ser um incentivo ou desalento para o eleitor quando a suspeita de manipulação de votos entra em cena.

À Justiça Eleitoral cabe zelar pela confiabilidade do processo de votação. E todas as declarações emanadas do TSE—Tribunal Superior Eleitoral, são revestidas da garantia de que não existe a menor possibilidade de fraudar as urnas. A afirmação é endossada, inclusive, pelo ministro Dias Toffoli, que estará à frente da eleição presidencial, na condição de atual presidente do TSE, empossado no último dia 13 de maio, em solenidade que contou com a presença da presidente Dilma Rousseff.

“Aí é que mora o perigo” —gritam, em uníssono, os oposicionistas— lembrando a proximidade que existe entre o ministro Toffoli, o Partido dos Trabalhadores e o ex-presidente Lula, principal bandeira de luta na cruzada petista para a reeleição de Dilma.

Isto seria uma insidiosa manobra para garantir à presidente a reeleição? Antes que se diga ser possível, Dias Toffoli foi eleito presidente do Tribunal Superior Eleitoral de acordo com as regras internas do órgão. Imaginar tamanhos trabalho e dissimulação, é quase um disparate. Mas ninguém coloca a mão no fogo nesta hora.  

Assim, entre dúvidas, acusações e suspeitas está de volta à rede um vídeo, de 2006, sobre o trabalho de pesquisadores dos Estados Unidos, quanto à segurança da urna eletrônica. A urna mostrada no vídeo não se parece com o equipamento utilizado no Brasil. No entanto, além do processo de captação de votos ser igual em ambas, a fabricante dos dois equipamentos é a empresa norte-americana Diebold.

A Universidade de Princeton, em Nova Jérsei, realizou testes que apontaram para a possibilidade de manipulação de dados. O vídeo foi contestado, mas, assim como as demais denúncias de que as urnas não oferecem segurança suficiente, o assunto ficou por isso mesmo.

Se você ainda não viu, assista ao vídeo agora. Legendado, mostra o passo a passo do processo através da máquina. Depois de assistir à explicação dos pesquisadores, será impossível não pensar: “Em quem, na verdade, estarei votando ao apertar o botão “Confirme”?

Fontes: Youtube e http://g1.globo.com/ / Imagens: Corrida eleitoral / Posse do ministro Dias Toffoli no TSE / Logo’s Princeton University

30 de julho de 2014

FLIP, MILLÔR FERNANDES, NELSON RODRIGUES E O RÁDIO. UNIDOS PELA IMAGINAÇÃO

 Começa hoje, dia 30 de junho, em Paraty, Rio de Janeiro, a décima-segunda edição da Flip—”Festa Literária Internacional de Paraty”, um dos maiores eventos literários mundiais.

Este ano, a Flip homenageia Millôr Fernandes.

Escritor, tradutor, dramaturgo, cartunista e jornalista Millôr, morto em 27 de março de 2012, merece integralmente a homenagem.

Atento espectador das mazelas da vida, usando humor e sagacidade, poucos, como ele, conseguiram traduzir, no texto e no traço, a essência do ser humano.

Nelson Rodrigues lapidou a frase indicativa de que “toda unanimidade é burra”, mas no caso de Millôr Fernandes, nunca a “burrice” foi tão justa e perfeita.

Sempre atento e certeiro, Millôr produziu críticas sociais e políticas que ficam para a posteridade.

A seguir, reproduzo uma lista contendo vinte frases selecionadas pelo site “adNEWS”, para relembrar o espírito satírico, mordaz e observador de Millôr Fernandes.

Extraídas de um repertório vastíssimo, as vinte frases traduzem, um pouco, a genialidade do carioca Milton Viola Fernandes, nome de batismo do inesquecível Millôr.

1 - Se você não tem dúvida é porque está mal informado.

2 - Todo homem nasce original e morre plágio.

3 - Não gosto de direita porque ela é de direita e não gosto de esquerda porque ela é de direita.

4 - O homem é o único animal que ri. E é rindo que ele mostra o animal que é.

5 - Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal.

6 - Fobia é um medo com PhD.

7 - O otimista não sabe o que o espera.

8 - Quem confunde liberdade de pensamento com liberdade é porque nunca pensou em nada.

9 - Ser pobre não é crime mas ajuda muito a chegar lá.

10 - Baiano só tem pânico no dia seguinte.

11 - Tristezas não pagam dívidas. Nem bravatas, por falar nisso.

12 - O progresso era maravilhoso quando não progredia tanto.

13 - Beber é mal. Mas é muito bom.

14 - Em política nada se perde e nada se transforma - tudo se corrompe.

15 - O capitalismo não perde por esperar. Em geral ganha 6% ao mês.

16 - O acaso é uma besteira de Deus.

17 - Nunca conheci ninguém podre de rico. Mas já vi milhares de pessoas podres de podre.

18 - O homem é o câncer da natureza.

19 - Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos muito bem.

20 - Para bom entendedor meia palavra basta. Entendeu ...ecil?

Para finalizar, na condição de profissional apaixonado pelo rádio, faço uma singela homenagem ao talento de Millôr Fernandes, através de uma frase espetacular, dele, sobre este admirável veículo:

Millôr Fernandes era fã do rádio, veículo que instiga a imaginação, matéria prima de Millôr.

Infelizmente, a essência do rádio vem sendo ignorada ao longo dos anos por pessoas que, desprovidas de imaginação, dizem que o rádio morreu.

*** ***  *** *** ***

A programação inteira do evento literário de Paraty, que se estende até o  próximo domingo, dia 8 de junho, você encontra no site da Flip, clicando neste link

Imagens: Flip / Charge de Frank e Lígia, sobre a morte de Millôr / Millôr Fernandes / Frase de Millôr sobre o rádio

29 de julho de 2014

MARCELO REZENDE E FABÍOLA GADELHA PODEM SER SOLUÇÃO DA REDE RECORD. OU PROBLEMA

Preocupada com boatos de que Marcelo Rezende estaria conversando com a Rede Globo, mesmo após ter renovado contrato com a emissora do bispo Macedo, a cúpula da Rede Record, em São Paulo/SP, fala em dar um talk show ao apresentadorFonte: RD1.ig.br. Algo na linha de Rafinha Bastos, Danilo Gentili e Jô Soares (tomara que se recupere logo). Assim, a “novidade” se resume ao velho e conhecido expediente de oferecer mais do mesmo. A intenção da Record é estrear o programa em 2015.

Ao contrário de programas da concorrência, que viram os índices de audiência diminuírem, o policialesco-humorístico “Cidade Alerta”, apresentado por Rezende, tem crescido nas principais regiões metropolitanas do país Fonte: Outro Canal, de Keila Jimenez. De olho nos números e na alta popularidade de Rezende, a Record pode acelerar a produção do talk show.

Para quem se preocupa com a possibilidade do jornalista sucumbir à sobrecarga de trabalho, convém lembrar que a Record tem apostado em Fabíola Gadelha, repórter da afiliada amazonense, que substitui Rezende em folgas eventuais. O problema é que a moça parece estar passando por uma transformação “da água para o vinho”, segundo reclamam profissionais da equipe do “Cidade Alerta”, preocupados com os ataques de estrelismo de FabíolaFonte: Notícias da TV

A direção da Record deveria se preocupar com o futuro próximo dos dois programas. Um erro de planejamento ou pressa pode sepultar, de uma só vez, o “Cidade Alerta” e o imaginado talk show de Marcelo Rezende.

Com o crescimento de Danilo Gentili e até de Rafinha Bastos —que vem se firmando no “Agora é Tarde”, onde não precisa mais tripudiar de ninguém para fazer graça— Marcelo Rezende vai precisar de muito mais do que bancar o engraçado com Percival de Souza, para emplacar o programa noturno.

Para complicar, vai que a manauara Fabíola tenha, mesmo, se deixado contaminar pelo vírus da fama… o prejuízo será bem maior do que se imagina caso ela assuma, em definitivo, o “Cidade Alerta”. Não dizem que televisão é fábrica de doido?  Pois é.

*** *** *** *** ***

Imagens: Marcelo Rezende / Fabíola Gadelha / Rezende e Percival de Souza

BAND TRABALHA DURO EM DUAS ESTREIAS QUE PODEM DAR CERTO

Com o fim da Copa do Mundo, as emissoras de televisão que não transmitiram o evento e amargaram baixos índices de audiência nos horários de jogos, voltaram a tocar a vidinha de sempre. Sem maiores ambições, marcar um, dois ou três pontos no Ibope durante a faixa vespertina é uma grande conquista. No entanto, cresce a cada dia o número de assinantes dos canais fechados, fato que deve estar preocupando ainda mais a direção dos canais abertos.

O retumbante sucesso, recente, do confeiteiro-celebridade, Buddy Valastro, que superlotou o Shopping Eldorado, em São Paulo/SP, mostra que o telespectador está enjoado da mesmice de sempre da TV tradicional e tem buscado variedade na TV por assinatura. O ganho com a qualidade de som e imagem, além de mais opções na hora de ver TV, sinalizam claramente que o segmento a cabo deve continuar crescendo. Sem melhorar o nível de programação, o risco de a TV aberta perder audiência tende a se tornar maior. No meio desse quadro, duas estreias anunciadas para breve me chamam a atenção.

A Band está ajustando os preparativos para a estreia de Luiz Bacci no comando do “Tá na Tela”, dia 4 de agosto, às 15h30.  Em tempos de vacas magras no Morumbi, onde se alardeiam cortes, a emissora se gaba de abrir o cofre para o novo contratado gravar matérias nos Estados Unidos e na Europa Fonte: Na Telinha.

Até aí, tudo bem, pois o patrocínio do programa deve cobrir as despesas com folga. E, se inovar é preciso, o gasto se justifica. Porém, justamente nesse ponto, começa a ficar gozado. Para reforçar a equipe encarregada de produzir o “Tá na Tela”, a Band tirou vários produtores da Record, contratou a repórter Lívia Zuccaro, do “Cidade Alerta”, e está à procura de alguém para executar função parecida com a de que Percival de Souza exerce na RecordFonte: Coluna do Flávio Ricco (logo abaixo da nota sobre Xuxa). Assim, tudo indica que o que vem por aí não deve ser assim tão novo. Será, em parte, cópia do que já existe na concorrência. Se Luiz Bacci é o futuro da televisão, como afirmam, o futuro virá com cara de ontem. 

ana paula _masterchef A mesma Band já está exibindo chamadas do “Master Chef”, um misto de reality show e competição culinária, exibido em 145 países, e que terá apresentação de Ana Paula Padrão. Além de bonita, Ana Paula se sai muito bem diante das câmeras em situações diferentes de um telejornal, formato em que ela se notabilizou na TV Globo.

Entrevistada no programa “The Noite”, com Danilo Gentili, no SBT, Ana Paula Padrão mostrou-se uma jornalista descontraída, inteligente e bem humorada. Ingredientes que podem “temperar” muito bem o programa a ser comandado por ela. A dúvida é saber se o formato vai cair no gosto do público da TV aberta.

O site da emissora ainda não menciona a data de estreia, mas é possível assistir a um “teaser” com detalhes da atração. As inscrições para o primeiro reality da série já foram encerradas.

Quem leu a informação a que o link do “Master Chef”, acima, conduz, sabe que o irritadiço Gordon Ramsay, rosto conhecido por quem tem TV por assinatura, é um dos “chefs” da atração. Torço para que o conjunto funcione. No quesito apresentação, o programa da Band deve ser muito saboroso, apesar do enjoado Ramsay, cujo temperamento desafia o paladar de qualquer gourmet.

*** *** *** *** ***

Imagens: Logo Band / Luiz Bacci / Ana Paula Padrão, fotograma de teaser da Band /Gordon Ramsay

28 de julho de 2014

PADRÃO GLOBAL DE QUALIDADE. EM QUE PÉ ESTÁ ESSA QUESTÃO?

O controle de qualidade da Rede Globo, cujo rigor sempre foi destacado, em busca do melhor resultado para o telespectador, já não é o mesmo faz tempo. Não é de hoje que o aparente desleixo com o assunto ganha destaque negativo nas colunas e publicações especializadas na cobertura do setor.

Ainda é muito lembrado o erro cometido em 2011, na novela “Fina Estampa”, em que um dos pés da atriz Ângela Vieira apareceu descalço. Segundo versão da época, Ângela havia sofrido uma torção no pé. Na hora da gravação, com o pé inchado e dolorido, a atriz não calçou o sapato. Erro bobinho, sim, mas em outros tempos a cena não iria para o ar.

Dona da maior audiência da televisão brasileira, desde 2012 é considerada a segunda maior rede de televisão comercial do mundo. O apurado controle de qualidade global sempre foi referência para as demais emissoras e, ao mesmo tempo, era seguido com rigor, internamente, na produção dos programas que exibe.

Conhecedora, óbvia, de que a matéria prima da TV é a imagem, a Globo nunca descuidou desse item, principalmente no período em que José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, “Boni”, foi vice-presidente da rede.

Para alguns críticos mais severos, o talento de muitos profissionais da Rede Globo já não tem o mesmo nível de outrora. Tal argumento, porém, é questionável, pois os contratados de qualquer empresa refletem a exigência do mercado e esta é uma história que não cabe discutir aqui. Os tempos são outros.

Para exemplificar, basta comparar o perfil dos clássicos “galã e mocinha” das telenovelas, produtos de maior sucesso da emissora líder. Johnny Massaro e Bruna Linzmeyer, casal central de “Meu Pedacinho de Chão”, não tem nada a ver com Tarcísio Meira e Glória Menezes de “Irmãos Coragem”.Por outro lado, os recursos tecnológicos utilizados na novela de Benedito Ruy Barbosa são absurdamente superiores aos que foram empregados na novela de Janet Clair, cuja primeira versão, em preto e branco, foi exibida entre 08/06/1970 e 12/06/1971 – Fonte: Memória GloboTarcisio Meira e Gloria Menezes

De volta aos tempos atuais, uma foto de divulgação do programa “Estrelas”, da Globo, apresentado aos sábados por Angélica, mostra que a falta de atenção com a qualidade das imagens liberadas para exibição continua em pé. Neste caso, no pé.

A imagem promocional do programa, com Angélica e Fátima Bernardes posando em aula de jazz, é de uma infelicidade espantosa para quem implantou o padrão Globo de qualidade. Fonte: Outro Canal, de Keila Jimenez

angelica e fatimaÉ fato inconteste que Fátima Bernardes, uma respeitável senhora de declarados 51 anos, sempre cuidou do visual durante o tempo em que esteve na bancada do “Jornal Nacional”.

Com o auxílio da maquiagem e do cuidado necessário para que a alta definição não revele o que não é preciso mostrar, Fátima tem passado uma imagem muito boa da profissional que deixou o jornalismo diário e se transferiu para a linha de entretenimento, com muita competência.

Experiente, segura, talentosa e simpática comanda com sucesso o “Encontro”, nas manhãs globais.

Agora, repare no foto para divulgar a participação de Fátima no “Estrelas”. Vista assim, em tamanho reduzido, tudo bem.

Acontece que se trata de uma fotografia de alta resolução, própria para ser reproduzida em grandes formatos.

Aí, a desatenção do pessoal que cuida da imagem da Globo e seus contratados fica indisfarçável.

varizes_fatima Fiz um recorte da parte inferior da foto. Os pés de Fátima causam espanto, devido às grossas veias salientes (varizes) comuns nessa idade, mas era preciso mostrá-los dessa forma?

O uso de polainas ou calça boca de sino (como a de Angélica) e até um enquadramento diferente evitariam isso.

Não se trata de escamotear a realidade, mas não é preciso escancará-la. Afinal, Fátima Bernardes é um patrimônio artístico da empresa e como tal deve ser protegido. Por uma questão de imagem, certo?

Se o recado não ficou claro talvez o Boni possa desenhá-lo, para mais fácil compreensão.

*** *** *** *** ***

O pé descalço de Ângela Vieira / Boni, ex-vice-presidente global /  Johnny Massaro e Bruna Linzmeyer, em Meu Pedacinho de Chão / Tarcísio Meira e Glória Menezes, em Irmãos Coragem / Angélica e Fátima Bernardes, divulgação

CORINTHIANS X PALMEIRAS. ESTÁDIOS DE PRIMEIRO MUNDO. E AS TORCIDAS?

Preparativos para o jogo deste domingo, entre Corinthians e Palmeiras, pelo campeonato Brasileiro, mostram que estamos de volta à triste realidade do nosso futebol. Depois do show das torcidas demonstrado durante a Copa do Mundo, o clima em São Paulo, capital, é o da antevisão da violência. Medidas preventivas impostas pelo policiamento sinalizam esse temor. Animosidade não falta e, por incrível que pareça, alimentada pela "cautela" em nome da segurança.

Recomendações para que a torcida palmeirense não vá de metrô ao estádio corintiano, em Itaquera, Zona Norte da cidade; para que o torcedor comum não use uniforme ou acessórios com as cores do seu time; colocação de placas metálicas nas arquibancadas, separando as torcidas, policiamento ostensivo, inclusive com cavalaria; tudo isso, somado, dá a impressão de que se espera uma batalha campal e não um jogo de futebol.

As medidas de segurança, embora necessárias, contribuem para produzir, previamente, uma grande tensão em torno do que deveria ser um espetáculo proporcionado pelo futebol. E ainda se fala no desejo de ver as famílias de volta aos estádios, como nos velhos tempos. Como foi na Copa. Quem se anima a levar a família a um jogo em que o resultado final pode ser pancadaria?
Do jeito que vai, não dou seis meses para que vejamos os vergonhosos alambrados nos estádios padrão Fifa.

*** *** *** *** ***

    "Tapumes de alumínio vão separar torcidas em jogo na Arena Corinthians" - Fonte: Jornal Hoje - Rede Globo

    Imagens: Itaquerão /Torcedor palmeirense / Violência nas arquibancadas

    25 de julho de 2014

    SANTANDER TROPEÇA NAS PALAVRAS E FAZ A FESTA DE MARQUETEIROS POLÍTICOS

    *Atualização: 19h26 O banco Santander, de capital espanhol, ocupa o primeiro lugar entre as instituições bancárias estrangeiras que atuam no país. Na lista dos maiores bancos do mercado brasileiro é o quinto classificado. Se pelo dedo se conhece o gigante, os números mencionados revelam o gigante por inteiro. Nessa condição, o Santander acaba de se tornar “ativista político”.

    O motivo para tal interpretação é uma nota impressa no extrato de clientes “Select” do banco, alertando sobre o risco de uma eventual reeleição da presidente Dilma Rousseff. A nota do Santander para os correntistas mais ricos acabou virando uma faca de dois gumes a serviço tanto da oposição quanto da situação.

    Oposicionistas podem usar o alerta bancário para “atemorizar” o eleitorado sobre o risco da reeleição de Dilma. Situacionistas poderão ver no episódio “uma sórdida manobra da classe média para sufocar o esforço do governo em promover distribuição de renda”. E, claro, juntar o útil ao agradável e acusar a oposição de conspirar contra os programas sociais petistas. Imagine o que uma declaração dessas pode provocar nos milhões de beneficiados com algum tipo das conhecidas “Bolsas”.

    Ao perceber o tropeço, o Santander emitiu uma nota de esclarecimento dizendo que o texto contido nos extratos é apenas uma “análise econômica (…) sem qualquer viés político ou partidário”.  Pode ser, mas pode não ser. É isso o que acontece quando especialistas em números tentam traduzi-los em palavras. Esse é outro departamento.

    Veja, a seguir, a nota de alerta aos correntistas do Santander e a justificativa do banco.

    image

    Abaixo, a tentativa inútil de explicar o incidente. Depois da porta arrombada, adianta trocar a fechadura? Como dizem, cabeça foi feita para pensar. Se fosse apenas para usar chapéu, seríamos todos cowboys.

    esclarecimento_santander

    *Ainda nesta sexta-feira o Santander publicou no site da empresa um pedido de desculpas pelo texto imprudente e reitera a “convicção de que a economia brasileira seguirá sua bem sucedida trajetória de desenvolvimento.” Típica declaração de quem reconhece ter cometido uma peraltice e levou um belo puxão de orelhas. Assim, cá entre nós, quem acredita na sinceridade das desculpas?

    santander_desculpas

    Fonte: Blog do Fernando Rodrigues, em UOL Notícias, Política – Imagens: Alerta e esclarecimento, Reprodução / Logo Santander

    23 de julho de 2014

    AGORA NÃO TEM MAIS VOLTA: FIM DO “ARENA”, DO SBT

    equipe_arenaO “Arena”, programa humorístico-esportivo do SBT, estava na marca do pênalti antes mesmo da Copa do Mundo chegar ao fim. Em meu post FIM DO “ARENA, NO SBT. TV É IMAGEM, RÁDIO IMAGINAÇÃO, publicado em 28 de junho, abordei o assunto. A cúpula da emissora já estava inclinada pelo fim da atração, mas como a Copa ainda rendia alguma curiosidade, o programa foi mantido.

    Na estreia, era exibido nas noites de sábado, às 23 horas. O público não se ligou no “Arena” e o programa foi remanejado para o início da madrugada. A medida visou dar mais liberdade para o elenco carregar nas piadas, mas nem isso funcionou. A ideia inicial, de fazer um programa esportivo baseado no rádio, não deu certo na TV. Os personagens imaginados pelo ouvinte nunca batem com a “realidade” mostrada na telinha. Com o fim da Copa, o “Arena” cumpriu tabela até esgotar o material pré-gravado pela produção. Isso aconteceu no último dia 19. Acabou e não tem mais volta.

    Dois integrantes do programa já eram contratados da casa e serão mantidos em outras atrações, Lívia Andrade e  Porpetone. Os demais participantes, foram dispensados.

    Embora nem sempre o que dá certo no rádio funciona bem na televisão, Bruno Vicari, jovem jornalista esportivo tem potencial para atuar bem nos dois veículos. Bruno Vicari veio do rádio, Jovem Pan, e tem futuro na TV.

    Contratado pelo SBT, desde 2011, para comentar o esporte nos telejornais, durante a Copa Vicari teve participação ativa cobrindo o dia a dia da seleção e outros aspectos do Mundial, com muita competência.

    Hoje, vi a participação do rapaz no “Notícias da Manhã” (7h00 às 9h00). O programa tem sido apresentado por Neila Medeiros, na ausência de César Filho, que se recupera de cirurgia.

    Chamado a opinar sobre a efetivação de Dunga como técnico da seleção brasileira, Bruno Vicari mandou bem. Ele fala fácil e sabe do que está falando. Alguém me disse que o trabalho do jornalista tem sido observado pela Globo. Acho natural que seja assim. Jovem o bastante e experiente o suficiente, Bruno Vicari seria um bom reforço para as equipes esportivas globais que, além da TV aberta, faz um trabalho muito bom nos canais por assinatura do Sportv. Além disso, daqui dois anos, haverá os Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro.

    Para encerrar, gostaria de destacar outro bom valor do rádio, que participava do “Arena”, e foi dispensado com o fim da produção.

    Thomaz Rafael, apresentador de programas esportivos da Transamérica, na equipe de Éder Luiz, é um profissional que deveria ser melhor aproveitado na televisão.

    Afinal, se a imaginação é fundamental no rádio, o talento é obrigatório em qualquer mídia.

    Isso, Thomaz Rafael tem de sobra.

    *** *** *** *** ***

    Programa esportivo do SBT, Arena fracassa e sai do ar após 4 meses” – Fonte: Notícias da TV

    Imagens: Livia Andrade / Bruno Vicari / César Filho e Neila Medeiros / Thomaz Rafael

    22 de julho de 2014

    TUTINHA PROMOVE MAIS MUDANÇAS NAS EMISSORAS DO GRUPO JOVEM PAN

    Bem ou mal, Tutinha (mais fácil de memorizar do que Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, né?), novo big boss do grupo Jovem Pan, vem reformulando a programação do AM, em 620 khz. Como a tendência, de uns tempos para cá, tem sido a transmissão conjunta do AM em FM, pelo menos de parte dos programas, as mudanças acabam se refletindo nos dois veículos.

    Tutinha é dos tempos em que o FM deitava, rolava e cobrava para tocar música. Partiu dele (pelo menos é o que se diz) a iniciativa de a programação musical do FM passar, obrigatoriamente, pelo departamento comercial da emissora.

    Trocando em miúdos —embora as somas envolvidas nesse negócio fossem graúdas— o  mecanismo era simples: a gravadora interessada em promover determinada música, comprava o espaço e veiculava seu produto. Igualzinho a uma propaganda qualquer. Quantas vezes a música iria tocar diariamente dependia, apenas, do bolso da gravadora anunciante. Para concluir, a emissora apresentava a fatura e estamos conversados.

    Essa foi a forma, encontrada por Tutinha de acabar com o “jabá” que ia parar no bolso do DJ, segundo também se dizia. A cobrança, sem disfarce, acabava com o “diz que diz” e abria o jogo. Quer tocar a música? Paga e tudo bem.

    Essa é a versão oficiosa para a medida adotada pelo diretor, que já foi “Djalma Jorge”, um pseudo locutor, imbecil, nos anos 1980 e parte da década de 1990. O “pai da criança” achava muita graça no tipo e como era filho do dono da rádio, ninguém tinha coragem de dizer: “para com essa bobagem, rapaz!”

    Como afirmam os locutores esportivos, “o tempo passa” e, ainda bem, Tutinha parece estar mudando. Um dos primeiros sintomas da mudança ocorreu em 02 de junho, quando da apresentação oficial dele ao mercado na condição de novo presidente das rádios Jovem Pan.

    Aos 58 anos, Tutinha assumiu o lugar do pai, o “velho” Tuta, Antônio Augusto Amaral de Carvalho. Uma das primeiras declarações do novo “chefe” foi praticamente um vaticínio: “eu não acredito no rádio musical no futuro” - Fonte: Notícias da TV

    Dito e feito. As mudanças que estão se processando no AM da Pan, com reflexos no FM, provam que o “moço” estava falando sério. Nada de genialidade nisso, porém, pois a ideia é consenso há algum tempo no meio radiofônico por causa da Internet. O mérito de Tutinha é ter botado a mão na massa, sem perda de tempo. A maioria dos dirigentes de rádio atuais, que choram como autênticas carpideiras, apenas dizem que “o rádio acabou”. E não esboçam reação aparente. O novo presidente da Pan foi à luta.

    No primeiro link, abaixo, você pode ler mais sobre as alterações na grade de programação das emissoras que compõem o grupo Jovem Pan. Não quero me antecipar e queimar a língua, pois, Tutinha tem o temperamento difícil e instável. É o que dizem, não é? Como boa parte do que dizem tem sido verdade, então temos de levar em conta essa observação. Nunca se sabe, exatamente, o que virá quando se trata de algo planejado por ele.

    Tomara que o amadurecimento tenha chegado naquela cabeça.

    Aliás, em outro link, depois do que leva às mudanças na Pan, você verá uma descoberta que nos dá um pouco de alento em relação a Tutinha.

    Cientistas norte-americanos afirmam que a vida adulta para os homens das gerações mais recentes começa por volta dos 54 anos.

    Ora, que boa notícia. Nem tudo está perdido, afinal.

    *** *** *** *** ***

    As mudanças no grupo Jovem Pan estão no link “Após 30 anos no ar, No Pique da Pan deixa a grade da Jovem Pan. Pan News assume” – Fonte: Tudo Rádio

    Novas gerações de homens amadurecem mais tarde. É o que informa o link “A vida começa aos 54 anos para homens, diz estudo” – Fonte: O Globo

    Imagens: Logo Jovem Pan / Tocar no rádioDjalma Jorge / Tutinha / Maturidade

    21 de julho de 2014

    VISITA DE BUDDY VALASTRO, DO PROGRAMA CAKE BOSS, DEU BOLO

    O poder da TV por assinatura precisa ser mais bem avaliado. Um evento que deveria, apenas, marcar o lançamento de uma nova temporada de programas apresentados pelo simpático confeiteiro Buddy Valastro, extrapolou as mais otimistas previsões e atraiu milhares de pessoas (fãs?) ao Shopping Eldorado, São Paulo/SP, neste domingo. Marcada para as quatro da tarde, a participação do apresentador começou pontualmente no horário. O movimento no shopping e nas imediações, porém, começou muito antes.

    Teve gente que viajou de outras cidades para a capital paulista, em busca da oportunidade de tirar uma foto ao lado de Valastro. O velho jeitinho brasileiro entrou em ação, para fazer frente a tamanho afluxo de pessoas. Homens, mulheres e crianças dormiram no próprio shopping para guardar lugar. O trânsito na marginal Pinheiros, e localidades próximas do local, ficou congestionado. A CET estimou que o evento causou um congestionamento de 12 quilômetros na marginal Pinheiros e travou o trânsito em várias ruas das proximidades.

    Gente demais, levou os organizadores do evento a encurtarem a visita de Balastro. Imaginada para se prolongar até as 19 horas, precisou ser encerrada 50 minutos depois de começar, por causa do tumulto. Havia muita gente do lado de fora, tentando acessar o local da apresentação, sem sucesso. Algumas lojas do shopping fecharam as portas, temendo que explodisse uma confusão difícil de ser controlada.

    A visita do confeiteiro, famoso por fazer bolos de formatos diferentes (como o submarino da foto), marca o lançamento da nova temporada da série Cake Boss, nesta terça, dia 22 de julho, no canal por assinatura Discovery HomeHealth.

    Quem subestimava o poder de fogo dos canais fechados precisa abrir os olhos. Os números estimados de telespectadores que assistem a determinados canais pagos são muito maiores do que se supõe. O sucesso da apresentação de Buddy Valastro não deixou dúvida. Afinal, ninguém esperava que a simples apresentação do confeiteiro-celebridade fosse dar o bolo que deu. No bom sentido, naturalmente, mas deu.

    *** *** *** *** ***

    No link a seguir, você encontram mais detalhes sobre a visita de Buddy Valastro ao Brasil. “Cake Boss lota Eldorado e trava Marginal Pinheiros”. Veja, também, os links relacionados – Fonte: Site da Veja S.Paulo

    Imagens: Confeiteiro-celebridade / Shopping lotadoPublico se espremeu para ver Buddy Balastro / Bolos com formatos diferentes 

    19 de julho de 2014

    SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL. MUDANÇAS DA BOCA PRA FORA?

    Estranho. Todos "chiam" com possível indicação de Dunga para o comando da seleção brasileira. Fizeram o mesmo com Gilmar Rinaldi, ex-goleiro, atual empresário de jogadores, que passa a responder pela coordenação de seleções da CBF. 

    Apesar disso, não vi nenhuma posição assumidamente contra qualquer um dos dois, por parte dos veículos, digo, rádio, jornais, revistas e televisão (Internet inclusa).

    O máximo que se vê, são palpites, também não assumidos com veemência, de um ou de outro nome forte da crônica esportiva. Nada, no entanto, capaz de fortalecer uma corrente de opinião a favor ou contra este ou aquele nome sugerido.

    Isso me intriga. A contrariedade é só de "mentirinha"? A única voz identificada com todas as letras, até agora, contra o despropósito da CBF, é a de Romário. No entanto, ninguém ignora o tom político que ele imprime ao "protesto", cujo objetivo é obter votos, em outubro. O baixinho quer ser senador. Afinal, seleção é assunto sério ou trampolim para saltos (há quem chame de assaltos) inconfessáveis?

    Tudo fica ainda mais incompreensível quando já se sabe que Marco Polo Del Nero será o sucessor de José Maria Marin na presidência da CBF. Eleito, em abril, para dirigir a entidade máxima do futebol brasileiro, a partir de 2015, Del Nero forma com Marin uma dupla que não se pode chamar de “possuidora de notória competência”.

    Será que a crônica especializada está falando sério quando cobra providências urgentes para salvar a seleção brasileira de novo vexame, em 2018, na Rússia? O maior país do mundo, em extensão territorial, tem uma das regiões mais geladas de todo o planeta, a Sibéria, cujas temperaturas, no Inverno, oscilam entre menos 40 e 50 graus negativos.

    Sim, eu sei que a Copa do Mundo, na Rússia, será disputada no Verão europeu, com temperaturas médias de 25 graus. A exceção é São Petersburgo onde ventos gelados e intensos podem derrubar a temperatura para algo em torno de 13 graus, em pleno Verão.

    CBF_gelada Também sei que as cidades-sede escolhidas para receber os jogos da Copa 2018 não se localizam perto da Sibéria. Você pode estranhar, mas lamento esses detalhes.

    Afinal, se tudo for concluído como querem Marin e Del Nero para o futuro do futebol brasileiro, não tenha dúvida: a seleção vai entrar numa fria tão grande que até jogar na Sibéria seria a maior moleza.

    *** *** *** *** ***

    Imagens: Dunga / Gilmar Rinaldi / Romário / José Maria Marin e Marco Polo Del Nero / Mapa Rússia, Sibéria / Fria

    18 de julho de 2014

    UM POST PARA DIZER QUE NÃO TEM POST

    redes_sociais cópiaEram cerca de dezenove horas. Eu “conversava” pelo Facebook com uma amiga, sobre a morte do escritor João Ubaldo Ribeiro. O “papo” ia seguindo quando, de repente, caiu minha conexão. Às vezes, quando a noite chega, o sinal da rede sofre grande oscilação e demora para abrir páginas, visualizar fotos, acessar alguns endereços e ler e-mails, entre outras atividades comuns na Internet. É que as pessoas saem do trabalho e parece que vão todas “navegar”, o que aumenta muito o fluxo na rede. Os provedores têm que atender à demanda e o “congestionamento” acaba se refletindo na velocidade de navegação, como já citei.

    Npausaão demorou muito para meu filho vir me dizer que além da Internet, estávamos sem telefone e não havia sinal na TV a cabo também. Resumindo, ficamos sem comunicação. Como se sabe, já faz alguns anos que os telefones fixos deixaram de existir. Hoje, em sua esmagadora maioria, as ligações telefônicas acontecem via modem. Além da péssima qualidade do serviço, quando há um corte de energia, por exemplo, a gente fica sem telefone. Isto não acontecia, antes. Mesmo sem energia elétrica o telefone continuava ativo.

    cel_chamandoEm situações de apagão, o que nos salva é o celular, que só uso para falar com alguém ou receber chamadas. Foi através dele que, ao ligar para o provedor a fim de reclamar da ausência de sinal, uma mensagem automática já foi esclarecendo que havia “problemas técnicos em nossa região”. A volta à normalidade estava prevista para às onze da noite.

    tv_twitter Sem Internet, sem telefone e sem televisão abri o Windows Live Writer, editor de texto que utilizo para escrever meus posts. Hoje, sem acesso à rede, valho-me de imagens que tenho arquivadas no computador. Escolho algumas, para ilustrar este post. São 19h54. Agora, é esperar que dê onze horas para atualizar o blog. Nada mais a fazer. Nos “vemos” amanhã.  

    *** **** **** *** ***

    Observação: A situação se normalizou por volta de 23:10, mas, por alguma razão desconhecida, precisei reinstalar a placa de rede e executar, de novo, o Assistente de Configuração de rede. A tecnologia, às vezes, parece que entra em parafuso. E a gente também.