CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

8 de julho de 2014

ALEMANHA VENCEU O BRASIL JOGANDO NOS ESPAÇOS

brasil 1 x alemanha 7 Acabou-se o que era doce, quem comeu arregalou-se. A derrota do Brasil para a Alemanha era previsível. Não se poderia supor, isso sim, um placar tão dilatado. Gol é o objetivo do jogo e a seleção alemã mostrou que estava focada ao derrotar o Brasil com facilidade, lisura e capacidade.

A torcida brasileira reconheceu o poderio alemão em campo. Os gritos de olé, já no final do segundo tempo, foram esse reconhecimento. Acho que a Alemanha ganhou o apoio da torcida brasileira ao vencer a partida sem desrespeitar o adversário. Até porque não há desrespeito na competência.

Se, pelo lado brasileiro, vimos uma seleção perdida no gramado, sem força para reagir, pelo lado alemão sobraram disciplina e aplicação tática. “O Brasil deu espaços e a Alemanha os ocupou”, resumiu o jogador Thomas Müller no fim do jogo. Foi exatamente isso e o resultado final poderia ter sido até maior.

Torço para que a Alemanha faça uma grande final com a Holanda, no domingo. Acredito que os “laranjas” passam facilmente pelos  “azuis” da Argentina, amanhã.

A disputa de terceiro e quarto lugares entre Brasil e Argentina fica de bom tamanho. Ambas as seleções mostraram nesta Copa um futebol de médio para baixo.

Para finalizar, e a tal teoria da conspiração sobre a contusão de Neymar, hein? Verdade seja dita. Hoje, mesmo com Neymar em campo, a vitória seria alemã. Diante da superioridade germânica mostrada em campo não há como duvidar.

Pensando nisso, conspiração à parte, o garoto teve muita sorte em ficar de fora. “Meu sonho não acabou”, afirmou Neymar após sofrer a lesão na coluna. Não deu, mas quem sabe em 2018, na Rússia?

*** *** *** *** ***

Imagens: Placar, reprodução / Thomas Müller / Neymar