CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

11 de novembro de 2014

NA DANÇA DOS NÚMEROS A TROCA DE DANÇARINOS PODE CAUSAR PISÃO NOS PÉS

Ontem, falei aqui de Neila Medeiros e da difícil missão que foi atribuída a ela: substituir César Filho no comando do “Notícias da Manhã”. Acusaram-me de ter feito um comentário machista, desfavorável à Neila.

Nada a ver. Não estabeleci comparação de gêneros, mas de estilos.

Da mesma forma, evitei (porque não é o caso) comparar habilidade e competência. César e Neila, cada um na sua, são profissionais qualificados.

A favor de César Filho estão a idade, mais maduro, e o detalhe de ter trabalhado no rádio durante muitos anos, com brilhantismo e personalidade própria. (imagem)

Favorável à Neila Medeiros, jornalisticamente, está o fato de ter atuado no centro nervoso do poder, Brasília, como apresentadora de TV, com muito sucesso. (imagem)

César conhece o segredo da espontaneidade que, se não for 100% autêntica, soa inteiramente falsa.

Por sua vez, Neila habituou-se a impor respeito através da expressão severa e o peso da função jornalística no vídeo. Em raias próprias ambos são muito bons, mas os estilos são inegavelmente opostos.

Hoje, vem à tona outro caso envolvendo a substituição de um apresentador por uma apresentadora.

Os protagonistas são Tiago Leifert e Fernanda Gentil, da Globo.

Escalado para apresentar a nova temporada do musical “The Voice”, Leifert foi substituído, desde setembro, por Fernanda, na apresentação do Globo Esporte, edição paulista. (imagem)

Graciosa, sorridente e descontraída, a jornalista foi considerada perfeita pra substituir o “leve e solto” Tiago. Dadas as “semelhanças” entre os dois, tudo indicava que seria uma troca perfeita. (imagem)

Porém, sob o comando de Fernanda, o “Globo Esporte” perdeu, até agora, 16% da audiência obtida pelo programa com Tiago Leifert. O estilo “engraçadinho”, de Leifert, embora também receba muitas críticas, é mais suportável. Fonte: Notícias da TV

Um detalhe talvez agrave a irritação do telespectador em relação à Fernanda Gentil. Além das características pessoais, sempre voltadas para ser descolada a qualquer custo, Fernanda, às vezes, é incrivelmente desligada e meio sem noção no ar.

É conhecida uma tremenda gafe da jornalista ao receber no Sportv, da Globo, o coordenador de um projeto esportivo para levar deficientes visuais aos jogos da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. Inteiramente absorta, não notou que o convidado era cego e, ao anunciá-lo, estendeu a mão para ele. A gafe entrou para a relação das 25 piores “mancadas” mundiais em transmissões esportivas. Fonte: UOL Esporte 

Você pode relembrar a cena, no Youtube.

Para se complicar ainda mais, na última sexta-feira, a apresentadora achou porque achou de fazer uma piadinha entre os nomes de Ayrton Senna e Felipe Nasr, que entra para a F1 em 2015 e estava presente na sessão de treinos em Interlagos. Como lembrei, acima, a moça é meio sem noção e nessa condição mandou uma piadinha difícil de entender. Claro, despertou a ira da galera. Fonte: Notícias da TV No link, você encontra a reportagem sobre a “brincadeirinha”, e também um vídeo mostrando a “piada”. Clique aqui

6_por meia dz Como você vê, trocar a apresentação de um programa não se resume a tirar uma pessoa e botar outra no lugar. (imagem)

Mesmo que a troca envolva duas pessoas aparentemente semelhantes, a operação exige cuidados que vão de um planejamento meticuloso ao acontecimento imponderável. Como ninguém segura Fernanda Gentil, o imponderável pode surgir ao menor descuido.

Se num programa que reúne tantas afinidades entre titular e substituta nada garante que a troca vai funcionar, imagine, então, a situação delicada do SBT neste momento de transição. No fim, são capazes de botar a culpa na moça. Uma tremenda injustiça.

*** *** *** *** *** ***