CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

25 de novembro de 2014

O FIM DOS LOCUTORES ESTÁ PRÓXIMO. DAQUI ALGUNS ANOS A ESTRELA SERÁ A VOZ DIGITAL

locutores Eu já disse aqui no blog que em futuro breve as figuras do locutor e da locutora vão desaparecer das emissoras de rádio. Os tempos estão mudando e o avanço tecnológico vai acabar com esses profissionais. (imagem 1, 2 e 3)

Primeiro será extinto o locutor das rádios musicais, aquelas que anunciam o título da música, mencionam compositor e intérprete, dão a hora certa e condições do tempo. De hora em hora, para cumprir uma exigência legal, gastam um minuto com duas notinhas de 30 segundos ou três de 20, às quais chamam de ‘noticiário’.

Hoje qualquer software de automação opera uma emissora. Por enquanto, é preciso gravar as falas que se deseja transmitir. Depois de gravadas ficam arquivadas, o tempo todo à disposição.

O sistema pode ser conduzido manualmente ou ficar no automático e fazer tudo sozinho 24 horas. Desliga o link do satélite, no caso das redes, executa o break comercial, roda notícia e coisas do tipo. As praças, por sua vez, podem fazer o intervalo local. Concluído o bloco, a emissora cabeça-de-rede religa o link do satélite e a vida continua para todos normalmente. A foto que aqui está é meramente ilustrativa, mas, em geral os sistemas automatizados trabalham de maneira semelhante.

Existem muitas emissoras em operação nesse sistema. O detalhe é que o locutor ainda grava uma coisinha e outra de última hora. Porém, vai chegar o tempo (e não demora muito) que nem esse locutor será necessário. Imagine o quadro: alguém digita um texto, o sistema lê o que está escrito, sintetiza na voz e timbre desejados (masculina ou feminina) e “fala” sem nenhuma intervenção humana. Assim, locutor para quê?

As emissoras ”al-news”, dedicadas ao jornalismo e as rádios esportivas (nas transmissões de futebol), ainda dependerão de locutores, mas, com o tempo terão o mesmo fim.

Já existe e funciona com relativa eficácia, o software que reconhece fisionomia, utilizado em sistemas de vigilância e proteção patrimonial. Uma pessoa focalizada pela câmera de segurança tem suas características armazenadas. Se a mesma pessoa for vista de novo, o sistema a reconhece imediatamente. Em minha visão futurista, algo parecido vai entrar em campo para identificar os atletas. De posse do nome e das características de cada jogador, o software vai tabular dados como localização do atleta em campo, velocidade de deslocamento, possibilidades de conclusão da jogada e outras informações que ajudarão a compor a voz do narrador digital. Parece loucura? Nem tanto.

Veja e ouça dois exemplos. Ao ser redirecionado(a), abra o som do seu multimídia, clique sobre o ícone “Ouvir o texto”, ao lado de uma página e um alto-falante. O sintetizador de voz ainda apresenta falhas de pronúncia e reconhecimento do texto, mas falta pouco para aposentar a voz humana.

1) Comentarista da ESPN é dispensado da emissora após piadinha Rio-São Paulo

2) Ex-defensor da “cura gay” se casa com homem nos Estados Unidos

É… os tempos estão mudando!

*** *** *** *** *** ***