CONTATOS, INCLUSIVE ASSESSORIAS DE IMPRENSA:
FALE CONOSCO!

Navegue à vontade

Na coluna à direita, logo abaixo das postagens preferidas do leitor, está o ZAPPING. Através dele você tem acesso direto às noticiais do dia, nacionais e internacionais, além de informações sobre quase tudo. ZAPPING. Uma central de notícias e entretenimento em que você escolhe o que quer.

26 de janeiro de 2015

GLOBO DÁ UMA DE PERNA DE PAU E MARCA GOL CONTRA SEUS PRÓPRIOS INTERESSES

O amigo Rodney Brocanelli, colunista especializado em rádio, um dos editores do blog “Radioamantes” (o outro é Marcos Lauro) levantou a bola da vez no setor esportivo, qual seja, o inexplicável boicote a alguns patrocinadores do esporte. O ‘privilégio’ não é da maior emissora do país, embora, claro, nessa condição, seja ela quem mais aparece e, consequentemente, quem mais prejudica os patrocinadores esportivos.

O esporte, em qualquer modalidade, depende de recursos financeiros para se desenvolver e se fortalecer perante o público. É o público, em última instância, a razão que determina o crescimento de todo esporte. Sem apoio financeiro os clubes não podem contratar, entre outras necessidades. Sem uma boa equipe, a torcida desaparece. Sem torcida, não surgem patrocinadores. Este círculo vicioso existe, também, no rádio, além da televisão. Porém, como se sabe, o TV leva grande vantagem e usa de artimanhas para ganhar mais que a concorrência, em audiência e financeiramente falando.

imgres Não é por outra razão que a rede Globo, por exemplo, massacra o telespectador com a exibição de jogos do Corinthians e do Flamengo, os dois times de maior torcida no país. A Globo sabe que ao patrocinador o que interessa é audiência e vende essa audiência a preços estratosféricos. É ‘pegar ou largar’, pois a fila de anunciantes na TV é grande. E anda, como se diz. Se uma empresa titubear, outra preenche a vaga, imediatamente. A conclusão, óbvia, é a de que o esporte alavanca o faturamento televisivo. Não há como mascarar tal evidência.

Esse ponto torna ainda mais incompreensível o boicote ao patrocinador que ajuda a sustentar os clubes esportivos que, por sua vez, atraem audiência que beneficia os veículos de comunicação. A Globo em particular, detentora dos direitos de exibição da maioria dos eventos esportivos transmitidos pela televisão. No caso global, fora o canal aberto, o domínio é amplamente amparado pelo Sportv, através de seus canais Sportv 1, 2 e 3 mais os segmentos Premier, que se desdobram em oportunidades comerciais altamente rendosas.

images No amistoso disputado ontem, “Palmeiras x Red Bull Brasil”, transmitido pelo Sportv, porém, a atitude da Globo ficou mais em evidência e se transformou no assunto mais comentado pelas redes sociais, com ampla repercussão, particularmente em São Paulo, o maior mercado publicitário do país.

A Globo terá que se justificar, sem dúvida. Por um lado, vive de patrocinadores. Por outro, prejudica-os deliberadamente, vetando a exibição de marcas, logos e quaisquer menções que levem à identificação do patrocínio. Uma atitude, no mínimo, inescrupulosa. Algo semelhante ao que fazem jogadores após um gol, certos de que serão filmados e fotografados em destaque, tiram as camisas e prejudicam os patrocinadores que ajudam a pagar seus salários.

O assunto não é novo e vem sendo discutido há tempos. O próprio Rodney Brocanelli já teve a oportunidade de ‘sacar’ essa bola, em maio de 2011, quando citou o problema que o vôlei brasileiro também enfrentava. De lá para cá, a situação tem se agravado, sem que algum tipo de solução tenha sido encontrado. A fuga das torcidas tem se acentuado. As rendas, ridículas, mal dão para manter a estrutura dos estádios milionários construídos para a Copa. Os números do Ibope, como não poderia ser diferente, têm diminuído. Se essa trajetória for mantida, em breve, não haverá mais interesse de patrocinadores em gastar fortunas apenas para forrar os cofres alheios

imgres Para complicar, a Globo boicota seus parceiros comerciais. O produto Red Bull é um dos clientes da Globo, então é parceiro. A pergunta que ecoa na cabeça de todos é: “durante quanto tempo o anunciante vai permanecer iludido, até descobrir que se o energético anunciado é capaz de dar asas, quando a empresa fabricante vai, enfim, levantar voo? E, como acontece numa revoada, basta o primeiro pássaro levantar voo, para o bando inteiro debandar…

Relembre, ou leia agora, o artigo de Rodney Brocanelli que, naquele tempo, colaborava com o FG-News, onde os fatos se encontram e participe desta discussão. “O BLOQUEIO DOS PATROCINADORES DO VÔLEI

Do jeito que a situação tem evoluído, e atingido outras modalidades esportivas, não vai demorar para soar o apito final. Em todas as arquibancadas.

*** *** *** *** *** ***